Sem horas e sem dores,

sejam bem vindos.

Nossas épocas mais queridas

Atira a pedra, destrói, a janela quebra...
Faz o vento percorrer o rosto dela
Deixa o tempo a ensinar a ser matura
Muda o mundo, faz o mundo à cara tua.

Deixa a brecha aberta pra espiar o tempo
e acompanha a coisa toda na cautela
vai andando e dribla as noites sonolento
pra no fim acompanhá-la da janela.

Vale a pena o sacrifício referido
pois beleza ela emana a tarde inteira
faz aquela que te chama de querido
aprender a fazer só da tua maneira.

Curte a vida e aprende toda essa essência
pra poder contar aos netos, com fadiga
que a vida é o retrato da inocência
construindo nossas épocas mais queridas.

O silenciador de grilos

Num cenário pavoroso, bagunçado
tudo vira alvoroço, ouriçado
entre sons e cantos tortos, emaranhado
se compõe os vários cômodos desfigurados.

Perturbado, o senhor
cata lento no silêncio
os cantos tortos soltos ao vento
pra depois fazer cessar.

Ele anda pela casa,
ele bate nas mobílias...
ele refaz as tentativas...
faz silêncio para encontrar o seu silêncio.

Com os sustos das batidas
o ambiente é abalado
e os grilos se acalmam...
O senhor encontra sua paz.

E jaz.

Jaz por segundos os cantos tortos...
Jaz por minutos os cantos tortos...
Até o medo dos grilos cessar.


PS: Como prometido.


Tudo é metáfora. by Otavio Alcantara.

O Vento e a Aurora Prateada









Quando um tiro veio rasgando o céu
Levantei meu chapéu e olhei a aurora prateada
que de tanto almejada fez o mundo inteiro observar
e esperar até o luar. Até o luar.

Até o luar... até que chega.
Pelejava o vento com um choro de atenção
mas de um jargão que se formou do silencio de suas bocas
à aurora o povo gritou e gritou: "Curvo-me, vossa realeza".

Desprovido de destreza,
corre o vento em contramão.
Eu, sentado e mais que atento
observo-o, com peculiar atenção.

A aurora tão querida, paralisou o povo todo,
roubou os olhos de todos, seu espaço fixou.
O vento triste então, voa desatento...
até que falo em alto e bom tom: "Eu te observo, vento."

E o vento se calou. Se satisfez. Voou em paz.


Talvez cada ser não precise de "várias" atenções... Mas cada ser precisa ao menos de UM alguém olhando para ele.

Vai entender!!!

E então minha mente explode!!!

Pensei que eu ia falecer!
ali, em plena corte
sem defesa ou acusação
me deram um estranho parecer.

E pareceu que foi um sonho!
Porque depois me vi nadando
tentando ir até o meio do mar
incrívelmente, sem cansar!

Aí depois que eu conto a história
o povo perde o entendimento!
Pois minha mente já explodiu, lá no começo
deixando-me aqui, nesse momento
jogando palavras aleatórias, ao vento.

Regendo sonhos sem sentido,
desordenando meus leitores-neurônio...
E o que se diz de meu refrão?
Ficou no desconhecido, pseudônimo.


Vai entender minha mente criativa!
De onde vem minha inspiração?
Mas uma coisa eu digo, e há tempos já dizia:
Agradeço a Deus pela poesia!

........................................: OnDe mE aChA! :........................................

TWITTER: http://twitter.com/Sir_Otavio
ORKUT: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=13746541447095137404
______________________________________________________________________________